Bordado de Pedro João Cury

Depois do consenso de Fevereiro

Christopher Read (Tradução de Renata Maffezoli e Angelo Regis) Durante a Revolução de Fevereiro, o Império Russo alcançou um grau de unidade sem precedentes. Todas as classes, etnias e nacionalidades deram boas-vindas à derrubada de Nicolau II. Armênios, chechenos, chukchis, finlandeses, georgianos, cazaques, poloneses e uzbeques celebraram a queda do czar em conjunto...

Ilustração de Marlon Anjos

Bonapartismo: uma proposta de síntese conceitual

Felipe Demier Na ampla e heterogênea literatura marxista de cunho mais propriamente político, o vocábulo bonapartismo e suas variantes (bonapartista, bonapartistas, semibonapartismo, filobonapartismo etc.) apresentam uma frequência perceptível, ainda que, diferentemente de outros tantos mencionados à porfia e indiscriminadamente, não possam ser tomados propriamente como termos batidos. Suas não tão correntes aparições nos permitem, entretanto, perceber que distintos tratos, alguns...

Ilustração de Adria Meira

Do compromisso com o capitalismo ao poder dos sovietes

Kevin Murphy (Tradução de Fernando Pureza) Em apenas alguns poucos dias, a Revolução de Fevereiro varreu o czarismo russo. Depois da revolta, o eleito Soviete dos Delegados Operários e Soldados de Petrogrado ficou lado a lado com o não-eleito Governo Provisório. Seu papel ao longo de 1917 não podia ser mais central. Os militantes operários tinham dado início ao primeiro soviete durante a greve geral de massas de 1905. A ideia se tornou tão arraigada no movimento revolucionário que...

Ilustração de Adria Meira

A alvorada de Outubro

China Mieville (Tradução de Heci Regina Candiani) A alvorada do dia 25 se aproximava. Desesperado, Keriénski emitiu um apelo aos cossacos “em nome da liberdade, da honra e da glória de nossa terra natal […] ajam para ajudar o Comitê Executivo Central do Soviete, a democracia revolucionária e o governo provisório e salvar o Estado russo em perigo”. Mas os cossacos queriam saber se a infantaria ia para as ruas. Quando o governo deu uma resposta ambígua, todos – menos um...

Ilustração de Celly Inatomi.

As mulheres e a URSS: conquistas históricas, limites e retrocessos

Rejane Carolina Hoeveler Em sua História da Revolução Russa, Trotsky fala da surpresa que atingiu todos em 23 de fevereiro de 1917, pelo antigo calendário Juliano.[1] Espontaneamente, as operárias têxteis de Petrogrado começaram a greve que acabaria destronando o Czar e instaurando, na prática, uma república na Rússia. A surpresa era compreensível: as mulheres compunham o setor mais despolitizado e analfabeto do movimento operário russo, justamente por serem o setor mais oprimido...

Ilustração de D. Muste

O MBL e sua rede

Demian Melo Há alguns anos comecei a me interessar pelo estudo das novas formas de organização da direita brasileira, levantando algumas informações sobre o Instituto Millenium. Impressionava-me o grau de penetração na grande mídia, a coluna de intelectuais que abrigava, tanto no quadro permanente quanto entre os convidados, além dos vínculos com o setor mais internacionalizado do capitalismo brasileiro, o que inclui a própria mídia. Estão lá os Grupos Gerdau, Abril e Globo...