Fotografia de Humberto Tutti

Violência e revolução em 1917

Mike Haynes (Tradução de Sergio Domingues e Fabiane Lontra) Vivemos em um mundo de violência e não podemos deixar de tratá-la politicamente. Em 1917, a violência da guerra espalhava-se por toda parte. Perto do final da sua História da Revolução Russa, Trotsky escreveu: “Não é notável que aqueles que falam com mais indignação sobre as vítimas da revolução social são geralmente os mesmos que, se não diretamente responsáveis pelas vítimas da Guerra Mundial, as prepararam e...

Fotografia de Luana Kava

Avaliando a social-democracia revolucionária: uma resposta a Duncan Hart

Eric Blanc (Traduzido por Marcio Lauria Monteiro) Antes de tudo, gostaria de agradecer ao camarada Duncan Hart por sua contribuição “Lições da Finlândia: Responda a Eric Blanc” [1]. Embora eu não compartilhe da sua análise, concordo que uma discussão séria sobre a Revolução Finlandesa é útil para os marxistas hoje. Embora algumas das críticas de Hart ao Partido Social-Democrata finlandês (SDP) sejam bem fundamentadas, argumentarei aqui que seu texto caracteriza de forma...

Ilustração de Jaime Prades

Mercado editorial e universidade: Mário Pedrosa, um caso exemplar?

Josnei Di Carlo Com o lançamento do livro Pas de politique Mariô!: Mário Pedrosa e a política, de Dainis Karepovs, pela Ateliê Editorial em conjunto com a Fundação Perseu Abramo, poderíamos nos perguntar sobre a relação entre o mercado editorial e a universidade, caso atentarmos para um fato: entre 2001 e 2016, foram defendidas 19 dissertações e três teses sobre Mário Pedrosa (1990-1981), com elas sendo antecedidas, de 1991 a 2001, por cinco livros sobre ele e por quatro livros...

Ilustração de Antônio Máximo

A contribuição de Losurdo à crítica da historiografia revisionista

Demian Melo Nesse ano do centenário da Revolução Russa, a editora Boitempo disponibilizou ao público brasileiro uma das mais importantes contribuições à crítica da historiografia revisionista das revoluções, Guerra e Revolução (LOSURDO, 2017), do filósofo italiano Domenico Losurdo. O livro em tela foi originalmente publicado em 1996 com o título de Il revisionismo storico: problemi e miti (LOSURDO, 1996), mas recebeu em inglês uma nova edição ampliada em 2015 (LOSURDO, 2015)...

Ilustração de Isabel Fuchs

Os bolcheviques e o antissemitismo

Brendan McGeever (Tradução de Matheus Carvalho e Eustácia Soares.)  Manhã, 25 de outubro de 1917. Os trabalhadores ocupam pontos estratégicos nas ruas fustigadas pelo vento de Petrogrado. No Palácio de Inverno, o líder do Governo Provisório, Alexander Kerensky, aguarda ansioso pelo seu carro de fuga. Do lado de fora, a Guarda Vermelha controla a estação telefônica central. A tomada de poder por parte dos bolcheviques é iminente. Não há luz nem telefone no palácio. De sua janela...

Ilustração Jaime Prades

Fome e revolta: exploração de classe e o protesto popular

  Kaio César Goulart Alves “O carioca é envenenado diariamente com os gêneros adulterados; é perseguido pela fome, porque pelos preços atingidos pelos alimentos se vê forçado a não comer; se não atura as veleidades pagãs de um imperador, suporta diariamente o peso das ambições desregradas dos homens de negócios que preparam trusts, e organizam com o mais franco cinismo a alta dos gêneros alimentícios ou das mercadorias indispensáveis à sustentação da vida”...