Ilustração Amalyn Malix

A ditadura em Carl Schmitt

Daniela Mussi “O soberano é aquele que decide sobre o estado de exceção” (Schmitt, 1996, p. 87; 2006, p. 9). Com esta definição Carl Schmitt abre seu Teologia Política, de 1922, e é por meio dela que a maioria dos intérpretes sintetizam o conjunto de seus trabalhos do chamado “período de Weimar” (1918-1933). Esta elaboração de fato está no centro dos ataques do jurista alemão ao liberalismo e ao pluralismo, bem como a princípios como da separação dos poderes, da...

Ilustração de Marlon Anjos

1964, revisionismo e o golpe antidemocrático

Diego Paulo Tão logo surgiram as primeiras elaborações sobre o golpe de 1964 e a ditadura que o seguiu, em que pese a diversidade de abordagens, algumas características foram ressaltadas como tópicos discursivos necessários às várias interpretações. Dentre elas, consta o ataque à democracia e as reformas pretendidas pelos setores mais à esquerda no espectro político dos anos 60. Essa visão, reinante nas duas décadas posteriores ao primeiro de abril, começou a ser relativizada...

Ilustração de D. Muste

“Que país é este”: a dupla historicidade de uma canção engajada do rock brasileiro

Romulo Costa Mattos Quando escrevi ao lado de Felipe Demier e do próprio guitarrista da Legião Urbana o livro Dado Villa-Lobos: Memórias de um legionário, ficou claro para os autores o quanto o ofício do historiador contribuiu para a pesquisa sistemática, a contextualização dos materiais artísticos, a checagem (e a conexão) das informações recebidas da memória do músico, o diálogo com a literatura disponível sobre o assunto e a confecção de uma narrativa que evitasse a...

Imagem por Marlon Anjos

“O dia que durou 21 anos” e o caráter anti-nacional do golpe de 1964

Demian Melo e Rejane Hoeveler Após 49 anos do golpe que depôs o governo João Goulart em 1964, surge mais uma contribuição cinematográfica ao quente debate sobre a ditadura militar brasileira. O dia que durou 21 anos foi dirigido por Camilo Tavares, filho do jornalista Flávio Tavares. Também co-roteirista, Flávio é um dos 15 presos políticos que foram trocados pelo embaixador americano Charles Elbrick, no sequestro organizado pela ALN e pelo MR-8 em 1969.[1] Trata-se de uma versão...

Ilustração de Marlon Anjos

A verdade é dura: a grande imprensa finge que faz autocrítica, mas ainda justifica a ditadura

Marco Pestana   “Você pagou com traição A quem sempre lhe deu a mão” (Jorge Aragão. Vou festejar, 1978)   A onipresença do slogan “A verdade é dura, a rede Globo apoiou a ditadura” nas mobilizações iniciadas em junho de 2013 levou a que, em 31 de agosto do mesmo ano, o jornal O Globo publicasse um editorial em que fazia a autocrítica (bastante limitada, diga-se de passagem) em relação ao seu apoio ao golpe que instalou a ditadura empresarial-militar em 1964...