Ilustração de Oadilos

Greve Internacional de Mulheres: uma construção coletiva

  Renata Vereza O nome retirado de um artigo que saiu em um site argentino, me parece resumir bem, tanto o título quanto o artigo, o que tem sido esse processo de construção da Greve Internacional de Mulheres ao redor do mundo[1]. A partir de um chamado de mulheres argentinas e polonesas que tiveram expressivos movimentos de mobilização em outubro de 2016, passando pelo valioso apoio de importantes feministas americanas, o movimento foi sendo construído ao largo (mas não contra e...

Ilustração de Adria Meira

“Don´t Fuck All Jobs”

Renato Teixeira Os estivadores derrotaram um despedimento colectivo que pretendia substituir trabalhadores com direitos por precários, sem direitos e com salários de miséria, e provaram que existem condições para criar empregos dignos e permanentes nos portos portugueses.[1] Com o acordo que alcançaram, depois de mais de um mês de greve às horas extraordinárias, não só evitam o despedimento colectivo como garantiram a passagem de 23 eventuais a efetivos. No acordo, destaque ainda...

Escultura de Alfi Vivern

Estado, democracia e resistências: as Jornadas de Junho

 Gilberto Calil Em junho de 2013 ocorreram as maiores manifestações populares da história recente do Brasil, reunindo vários milhares de manifestantes, de diferentes estratos sociais e nas mais variadas regiões do país. O caráter pluriclassista, a diversidade de reivindicações e o fato de que a grande maioria dos manifestantes não tinha experiência política anterior propiciaram uma intensa disputa em torno dos rumos das mobilizações. A despeito da heterrogeneidade social e...